Achei que era a única que via “Married at First Sight”, que estava sozinha nesta luta interior entre “Isto é tudo tão errado” e “Oh meu Deus, isto é bom…