Ai que saudadinhas que tinham minhas, não era meus pequenos?

Mas ando ocupada, muito ocupada, entre trabalho e toda uma busca intensa de coisas novas para ver, a vossa miúda fica sem tempo para escrever sugestões.

Mas cá está uma fresquinha, fresquinha!

Chama-se “Flack” e ainda só tem três episódios por isso não sei bem o que sinto.

Acho que gosto, mas não tenho a certeza se gosto porque é realmente bom, ou se gosto porque amo a Anna Paquin e porque todo o tema da série me puxa aqui um cordelinho nas minhas entranhas.

Se não sabem que é a Anna Paquin então eu desisto.

Anna Paquin, a protagonista de “Flack”, é só assim uma actriz incrível que talvez se lembrem de ver como Sookie Stackhouse em “True Blood”.

Mas só assim de repente podemos fazer a referência ao Oscar que ela ganhou quando tinha 11 anos.

11.

Sim, 11.

É a segunda actriz mais nova de sempre a ganhar um Oscar e fê-lo em 1993. Com 11 anos.

11.

Sim, 11.

Venceu na categoria de Melhor Actriz Secundária pela sua interpretação de Flora McGrath no filme “O Piano”.

“Aaaaaaaahhhhhh, a miúda filha da senhora muda!”, yup, era Anna Paquin.

E afinal o que é esta série “Flack”?

Bom, comecemos pelo princípio, talvez pela definição da palavra.

Flack: noun \ one who provides publicity ; press agent; a public relations

Portanto, flack é alguém que trata da imagem pública de alguém famoso, ou de uma figura que se tornou pública por alguma razão.

Aquela malta que gere os escândalos, que faz tudo parecer um bocadinho melhor do que realmente foi, ou que, simplesmente faz certas histórias comprometedoras desaparecer.

LLLIIIIKKKKKEEEE!

Resumo bonito para vocês

“Flack” é uma série do canal Pop (quem?! – é um canal americano de cabo e satélite que resulta de uma pareceria da CBS com a Lionsgate) sobre uma relações públicas americana super hardcore e durona que trabalha em Londres e cuja missão é resolver qualquer problema dos clientes da agência onde trabalha.

Robyn (Anna Paquin) é a personagem principal e mexe-se de forma ágil nestes meandros dos famosos problemáticos enquanto tenta conciliar o trabalho com a pouca ou nenhuma vida pessoal que tem.

Ah, e enquanto mete ao bolso todas as drogas que vai encontrando nas mãos dos seus “meninos mimados”.

A série segue a vida de Robyn e de quem com ela trabalha e, tenho de vos confessar que acho que tem o potencial de me viciar.

Acho que não é a melhor série de todo o sempre, mas… tem qualquer coisa que me agarrou.

Primeiro, uma protagonista que adoro, depois uma personagem que lida com a difícil tarefa de clientes que metem água a toda a hora (ahhh Olivia Pope que saudades – ler aqui sobre ela) e por último aquele look meio dark mas com nuances de novela levezinha que permite que não pensemos muito enquanto a vemos.

Como digo acima, ainda só tem três episódios mas confesso que já estou com o bichinho à espera do quarto.

O elenco?

Sabem aqueles elencos em que todas as caras vos dizem qualquer coisa mas não sabem bem de onde as conhecem mas ao mesmo tempo acham que nunca as viram na vida mas, se calhar, talvez?

Não? Sou só eu?

“Flack” é mais ou menos isso.

“Ah, eu conheço esta cara… hum, mas… pois, não sei.

*pesquisa rápida no Google*

“Ah, ya, eu vi este filme que diz aqui que ela fez, mas não me lembro dela lá”.

É muito isto.

A saber então:

Preciso de repetir que Anna Paquin é a protagonista? Não, pois não?

Mas vou repetir.

Ana Paquin é a protagonista de “Flack”.

Anna Paquin / Robyn

A super relações públicas / publicist / pessoa que resolve tudo, ultra profissional e badass, a melhor da firma (firma é palavra à pai, não é?!) onde trabalha, viciada em cocaína (ou na droga que vai encontrando nos quartos de hotel dos clientes), com pouca vida social e uma vida familiar que podia ser melhor se ela não fosse tão destravada.

Lydia Wilson / Eve

Eve é a melhor amiga de Robyn e talvez, até agora, a personagem com mais graça.

É seca e sarcástica, desbocada, sem problemas em dormir com alguns dos clientes que lhe passam pelas mãos e trabalha na mesma agência de Robyn.

É interpretada por Lydia Wilson que vos vai parecer familiar mas, lá está, de onde a conhecemos?

Assim de repente é a princesa raptada no primeiro episódio da primeira temporada de Black Mirror, remember?

Sophie Okonedo / Caroline

Caroline é a chefona da Mills Paulson, a “firma” (ahahah não aguento) onde Robyn e Eve trabalham.

Não se lhe vê um sorriso, é ultra dura, mas tem saídas com graça.

Manda em toda a gente como gente grande mas reconhece o valor de ter Robyn na sua equipa.

Talvez a reconheçam, lá está… do filme “Hotel Ruanda”.

Rebecca Benson / Melody

Melody é a estagiária que ali cai de pára-quedas.

É muito certinha e não está habituada a esta forma despachada, bruta e frontal de Robyn, Eve e Caroline.

Choca-se com tudo e é a fofinha do gang, apesar de volta e meia fazer asneira da grossa.

E… é a Talla Tarly de “Game of Thrones”… 😱😱

Genevieve Angelson / Ruth

Ruth é a irmã de Robyn, a certinha.

Ambas perderam a mãe e esse é o mais forte elo que as une, é talvez a personagem que mais humaniza a personagem de Anna Paquin.

Arinze Kene / Sam

Azrinze Kene é Sam, o namorado de Robyn.

Nada tem a ver com esta vida de bastidores dos famosos pois trabalha como enfermeiro.

É pacato, apaixonado por Robyn e… bem… não sabe da missa a metade.

Porque é que devem ver “Flack”?

Honestamente não sei.

Aahahaha, estou a ser o mais sincera possível.

Não sei. Eu gostei, fiquei envolvida na história, fiquei curiosa para ver mais e arrisco dizer que é bom.

Claro que só tenho três episódios para me basear mas… não sei.

Tenho um feeling que vou levar isto até ao fim.

E também tenho o feeling que se calhar “Flack” se irá ficar pela primeira temporada, mas isso já sou só eu a especular.

Bom, o que eu gostava mesmo era que vocês espreitassem e me dissessem o que acham.

É mesmo bom ou eu enlouqueci de vez.

Fica o trailer, óbvio!

Peace out, kidz!

MBM