A melhor sensação do mundo? Tropeçar numa série que não conhecemos, carregar no play e ficar viciado. Aconteceu-me este fim-de-semana com Doctor Foster.

Não fazia ideia o que era a série, só li um pequeno resumo que dizia que contava a história de uma mulher, médica, que suspeitava estar a ser traída pelo marido.

Tinha uma viagem pela frente e tempo para queimar por isso peguei no telemóvel e vi o primeiro episódio na Netflix.

Doctor Foster… Onde me fui meter?

A série é britânica, produzida pela BBC e a actriz é com certeza familiar para quem segue telenovelas inglesas.

Suranne Jones – sim, Suranne é não Suzanne ahah – altamente respeitada na televisão britânica – dá vida a esta médica equilibrada que perde as estribeiras ao encontrar um longo cabelo loiro no cachecol do marido.

A partir daí é o caos.

Gemma Foster não dá “cana” em frente ao marido, Simon Foster, e decide guardar a questão para si… e investigar.

É aí que está Doctor Foster se torna viciante.

As personagens são boas, os actores estão à altura e o enredo prendeu-me desde o início..

Acredito que não seja uma série para toda a gente, nestes últimos dias tenho-a recomendado a amigas na casa dos 30/40, mas acredito que mulheres mais novas ou também alguns homens, possam ficar reféns desta Doctor Foster.

Vamos a elenco?

Gemma Foster

É a médica que vê a sua vida consumida pela dúvida.

O que acontece quando temos a “pulga atrás da orelha” e não sabemos se o nosso instinto está certo?

Como confrontamos a verdade que talvez não estejamos preparados para conhecer?

É equilibrada, inteligente, mas assim que se vê consumida pela semente que coloca na cabeça, vira a boneca.

Suranne Jones é muito respeitada no Reino Unido, já fez parte do elenco da famosa novela “Coronation Street”, e é brilhante na pele desta Doctor Foster.

A série gira em torna dela e ainda bem.

Suranne Jones fartou-se de receber prémios pela sua interpretação desta Gema Foster, conta com um British Academy Television Award para melhor actriz (2016), um National Television Award para Outstanding Drama Performance (ganho duas vezes, em 2016 e 2018), e a série arrecadou um National Television Award para Most Popular New Drama (2016) e um National Television Award para Most Popular Drama (2018).

Já vos dei razões suficientes?

Simon Foster

É o marido de Doctor Foster, o “suposto safado” que a anda a trair apesar de terem – aparentemente – o casamento perfeito.

É interpretado por Bertie Carvel e que bem entregue que foi esta personagem.

É um santinho do pau oco, tem ar de não partir um prato e ao longo da série vai-se revelando…

Kate Parks

Kate Parks é interpretada por Jodie Comer, se este nome não vos está a soar familiar, vão reconhecê-la como a doidivanas assassina de “Killing Eve” (que também vale a pena ver, leiam aqui).

Não vos vou adiantar muito sobre a sua personagem, não quero spoilers neste ChickFlick, mas a sua Kate Parks é bem diferente daquilo que nos deu em “Killing Eve”.

Tom Foster

É interpretado pelo pequeno talentoso Tom Taylor, e é o filho de Gemma e Simon.

Tom sofre com tudo o que se passa com os pais e acaba por ser uma peça chave em todo o enredo.

É uma personagem que à partida não é relevante mas que vai ganhando força com o passar dos episódios.

Aconteceu-me uma coisa incrível quando acabei a primeira temporada.

Mal acabei o quinto (e último episódio) da primeira temporada fiquei com pena por ter chegado ao fim.

Mas aos “Deuses da Boa Ficção” não brincam e aconteceu um pequeno milagre.

No canto inferior direito do meu ecrã apareceu um pequeno countdown… “O primeiro episódio da segunda temporada de Doctor Foster começa em 10, 9, 8,7…”

Oi?! Como assim?! Aaaaagggghhhh isto tem segunda temporada? E eu posso vê-la jáááá?!?!

Como vos disse, vi a série por impulso, para passar tempo numa viagem.

Normalmente vejo trailers, leio uma crítica, “checko” quantas temporadas tem, quem são os actores…

Desta vez não fiz o briefing e… Voilá. Fui surpreendida por completo.

E que bom que isso é para uma freak organizada que quase guarda as séries que acompanha ou quer acompanhar em ficheiros num arquivo à antiga.

A segunda temporada?

Tão viciante quanto a primeira.

A história começa dois anos mais tarde (literalmente, o filho cresce tipo 20 cm de altura) e todo o caos volta à vida de Gemma, a nossa Doctor Foster.

A primeira temporada é de 2015 e a segunda de 2017 e não sei como é que isto me passou ao lado nesses anos.

Mas, na verdade, ainda bem.

Ainda bem, porquê?

1. Não teria tido duas temporadas para ver se seguida

2. Teria acompanhado a primeira e sofrido à espera da segunda

3. Não tinha tido a bela surpresa que tive porque de certeza que teria feito o trabalhinho de pesquisa e já saberia ao que ia

Às vezes é bom ir às cegas e ser agradavelmente surpreendido.

E Doctor Foster foi definitivamente uma bela surpresa que ganhou um lugar no meu coração.

Onde podem ver?

Doctor Foster está disponível na Netflix e aconselho a que se fechem em casa num fim de semana de chuva e a “papem” toda de seguida.

Se haverá terceira temporada?

Segundo o argumentista Mike Bartlett existe essa possibilidade, apesar de a história ficar fechada no final da segunda temporada (e da primeira by the way) mas há uma porta que fica entreaberta que poderia dar espaço à continuação da história…

Ai quero TANTO!

Eu vou ficar a torcer por uma terceira temporada – bem como os fãs da série que andam desde o ano passado à espera de novidades – mas os senhores que mandam em Doctor Foster ainda estão em conversas.

E para já, parece que não haverá novidades.

Para já têm duas temporadas de cinco episódios (longuinhos, não se assustem) para pôr em dia.

Depois quero saber o que acharam 😁

Fica o trailer!

Peace out, kidz.

MBM