A incrível dupla que nos trouxe a obra-prima “Juno” em 2007, volta a juntar-se e volta a não desiludir e traz-nos agora “Tully”.

O realizador Jason Reitman (“Up in the Air”) e a argumentista Diablo Cody (sou-lhe eternamente grata por “Juno”) recrutam Charlize Theron para este “Tully” que nos faz sorrir, rir e por breves segundos ficar com os olhos mareados.

Uma mãe de três filhos, um deles acabadinho de nascer, cede à oferta do irmão de lhe pagar uma babysitter nocturna para a ajudar na logística da noite para esta poder descansar melhor.

Ao início muito hesitante com a ideia, Marlo (Charlize Theron) sente-se desconfortável com a ideia de ter uma estranha em casa durante noite mas acaba por criar uma forte amizade com esta misteriosa Tully que se torna rapidamente e de forma inesperada numa espécie de seu braço direito.

O filme é bom e prende-nos a esta mãe logo de início fazendo-nos sentir os seus ataques de nervos como se fossem nossos.

É um argumento bem ao estilo de Diablo Cody. Faz-nos sentir qualquer coisa. E isso, é ouro.

Não sou mãe, apenas tenho ao meu cuidado dois cães que são mais independentes do que eu, mas ainda assim senti o desespero, o cansaço e as angústias de Marlo. Porque o guião é bom, sim, mas também porque Charlize Theron é genial.

A actriz passou por uma super transformação física para interpretar esta personagem, passou vários meses a comer refeições cheias de sal e açúcar e a beber refrigerantes para ganhar vários quilos que a fizessem aproximar-se fisicamente daquilo que tinha imaginado para esta mãe desesperada.

A sua interpretação é segura, honesta e real.

Mas esta Marlo só nos toca tanto porque tem ao lado uma Tully igualmente brilhante.

Mackenzie Davis, o meu novo girl crush.

Mackenzie Davis é a contracena perfeita e um casting que foi certeiro. A relação entre as duas personagens é cúmplice e verdadeira e acreditamos a cada cena que a amizade entre estas duas mulheres é verdadeira e que têm de facto muito para aprender uma com a outra.

O que acontece a uma mulher quando é mãe? Como se processa este equilíbrio entre a mãe e a mulher?

“Tully” é um belíssimo retrato da maternidade, do seu lado bonito e do seu lado mais desconfortável e desesperante.

Não sei se Charlize Theron e Mackenzie Davis serão consideradas para os Oscars mas, por mim, já lá estavam de estatueta na mão.

O trailer? Está aqui em baixo. Eu não vos falho!

Peace out, kidz!

MBM