Shonda Rhimes ataca outra vez, agora com “For The People”.

O novo projecto da Sra. Televisão é uma espécie de “Anatomia de Grey” com advogados e mantém a rapidez de diálogo, os dramas amorosos entre colegas e as reviravoltas “à lá Shonda”.

“For The People” mantém o ritmo mas não iguala a qualidade de outros tempos de Shonda

Comparando com outras séries produzidas por Shonda Rhimes, “For The People” é mais fraca.

Digo fraca no sentido em que a história se divide por muitas personagens com igual importância o que acaba por “dispersar” a nossa atenção.

Quem são os protagonistas?

“For The People” segue a história de seis jovens advogados, três em cada lado da “barricada”, todos eles com energia, características meio awkward, discursos rápidos e vidas amorosas complexas.

Não tem necessariamente uma personagem principal como Olivia Pope de “Scandal” (Kerry Washington) ou Annalise Keeting de How To Get Away With Murder” (Viola Davis) apesar de termos uma personagem que se destaca, a meu ver, um bocadinho mais.

Britt Robertson (“Girl Boss”) interpreta Sandra Bell, uma jovem advogada meio desorganizada mas incrivelmente talentosa e serve um pouco de fio condutor, embora não totalmente.

Britt Robertson

“For The People” é menos subtil do que “Scandal” (lê mais aqui sobre esta série) e muitooo menos viciante do que “How To Get Away With Murder”.

Mas calma, não é terrível!

Tanto que aqui a vossa amiga anda a acompanhar a série, sem ainda ter falhado um único episódio.

Eu agarro qualquer uma, sou uma fácil.

É daquelas series que preenche bem aquele tempinho que temos de fazer antes de sair de casa para ir tomar café com uma amiga, ou para ver na cama para desligar um bocadinho o cérebro.

Eu sigo, até gosto, e recomendo a quem curta de series de advogados e com um romancezinho cute pelo meio.

Deixo-vos o trailer 😉

Peace out, kidz!

MBM